fbpx

Landing page: Como pode ajudar seu escritório de advocacia?

A elaboração de estratégias de marketing e uma landing page para escritório de advocacia, é um desafio.

Afinal, estamos lidando com um segmento muito específico de mercado, que demanda o compartilhamento de informações confiáveis, assertivas e credíveis e a landing page abre a possibilidade em ser direto ao ponto.

Em conjunto a tudo isso, também é necessário seguir corretamente as orientações da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), quanto às técnicas de publicidade, propaganda e marketing, conforme o Código de Ética.

Ou seja, mesmo para criar anúncio facebook, é preciso ter um planejamento orientado, já que a campanha invasiva, muito comum no marketing tradicional, é condenada pelas determinações técnicas de propaganda para advogados.

Entretanto, os escritórios de advocacia podem aproveitar os recursos do marketing digital para o compartilhamento de conteúdo informativo, uma iniciativa não só prevista e aprovada pelo Código de Ética, mas também incentivada.

Afinal, ela é capaz de aproximar o público dos profissionais do Direito.

Assim, procurar por uma agência de marketing digital especializada na criação de campanhas em marketing jurídico pode ser a chave para se destacar em um mercado cada vez mais competitivo e exigente.

Por isso, vale a pena buscar não só quanto custa um plano de marketing, mas verificar a qualidade de gestão de campanhas e a criatividade na proposição de soluções práticas em divulgação de escritórios de advocacia.

No artigo de hoje, vamos tratar sobre as landing pages e como elas podem ser adaptadas nos planejamentos de marketing para escritórios de advocacia. Acompanhe a leitura!

O que são as landing pages?

A landing page, também chamada de “páginas de destino”, é desenvolvida com o objetivo de converter os visitantes em leads (potenciais clientes).

Por isso, ela conta com poucos elementos e possui foco em um CTA (Call to Action, ou chamada para ação) principal, para evitar distrações e garantir que o usuário realize a conversão.

Por exemplo, uma landing page pode oferecer um cupom de desconto para compra de uma maquina de cafe tres corações profissional, mas para receber a oferta, o usuário deve preencher um formulário, entregando informações como nome e-mail.

Após o preenchimento, já temos uma conversão, pois o usuário deixou o seu contato e, com isso, a empresa pode direcionar novos ativos de marketing.

Assim, torna-se mais fácil a nutrição de leads para transformá-los em clientes, aumentando as chances de venda dos produtos ou serviços.

As landing pages deixam de lado elementos que possam distrair o usuário de alguma forma, como menu, excesso de texto, entre outros recursos dispensáveis.

Embora elas sejam parecidas com um site, o objetivo é somente fazer com que o visitante realize uma determinada ação.

O perfil ideal de uma landing page contém:

  • Título e subtítulo;
  • Descrição da oferta;
  • CTA principal;
  • Imagem principal;
  • Formulário para preenchimento.

Em geral, as landing pages oferecem materiais ricos, como e-books, webinários, planilhas, bem como demais conteúdos que possam ser valiosos aos leitores.

Por isso, elas têm uma relação estreita com o marketing de conteúdo.

Nesse sentido, quando alguém procura por dicas de decoração com persiana azul, por exemplo, pode se deparar com uma landing page que oferece um guia de design de interiores, mostrando tutoriais de como usar o artigo nos cômodos.

Para os escritórios de advocacia, as landing pages devem oferecer materiais informativos, com o intuito de compartilhar conhecimento com os usuários, além da conversão.

Ou seja, diferentemente do que pode ocorrer em landing pages com ofertas de desconto e cupons, no caso dos escritórios de advocacia, essas páginas devem ser voltadas diretamente para a divulgação de materiais valiosos, informativos e de qualidade.

Principais elementos de uma landing page

As landing pages servem para absolutamente qualquer segmento de mercado – seja para aumentar as vendas de uma persiana romana pronta, ou para um escritório de advocacia.

Claro que é preciso considerar as especificações do ramo, bem como as características do público-alvo para a criação de uma página assertiva.

Embora as landing pages tenham poucos elementos em comparação com um site tradicional, é preciso adotar certos cuidados na hora de desenvolver a estrutura, visto que a falta de planejamento pode não resultar na conversão desejada.

Assim, existem recursos indispensáveis para uma boa landing page, que são:

1 – Oferta

A oferta é o material que é oferecido em troca do contato do usuário. Afinal de contas, as pessoas não vão simplesmente fornecer o e-mail e informações pessoais ao acaso.

Por isso, é preciso compartilhar um conteúdo que gere valor e que normalmente os visitantes não encontrariam em um blog.

Assim, ao invés de um post sobre o plantio de capim aruana para cavalos, talvez seja mais interessante fornecer um webinário completo, para que o usuário possa assistir as melhores maneiras de cultivar a vegetação.

É preciso ter criatividade, mas também pensar nas necessidades da persona, para que o material seja direcionado aos objetivos do cliente.

2 – Título

O título de uma landing page deve deixar claro qual é a oferta da página, para que o usuário clique no endereço sabendo já o que irá encontrar.

Por isso, o ideal é criar uma frase chamativa, simples e compreensível, sem margens para dúvidas.

Por exemplo, a landing page está oferecendo uma inscrição em uma newsletter para receber informações sobre como instalar uma estrutura metalica aparente.

Para isso, é necessário citar o boletim informativo e ressaltar ao visitante que ele só receberá o e-mail após o preenchimento no formulário.

É preciso cumprir o que é explanado no título, pois não há nada mais frustrante do que se interessar por um produto e, no final, receber algo diferente.

3 – CTA

Os CTAs são botões, textos, imagens ou hiperlinks que convidam o usuário a realizar alguma ação. Eles são indispensáveis para as landings pages, visto que são os principais responsáveis pela conversão dos visitantes.

Observe um exemplo de CTA:

Baixe agora o nosso e-book e conheça os procedimentos de um banho de niquel!”.

Os CTAs devem usar verbos no imperativo, além de frases curtas, objetivas e claras, para que o usuário não fique com dúvidas de qual ação deve ser feita.

4 – Descrição

Nem todas as landing pages contam com descrições.

Porém, no caso de um escritório de advocacia, é importante usar o recurso, uma vez que as pessoas estão em busca de informações ricas a respeito do âmbito jurídico.

Portanto, dada a complexidade do assunto, é necessário explicar com clareza para os visitantes.

A descrição precisa compartilhar uma mensagem, de modo sucinto, sobre o objetivo da oferta e o valor que ela pode gerar ao público.

Por exemplo, um e-book sobre forno de lastro com vapor pode ajudar as pessoas a entenderem mais sobre o equipamento, para quê ele é usado e quais são os principais cuidados ao manusear o aparelho. Esse conteúdo deve aparecer na descrição.

Porém, lembre-se de usar uma linguagem adequada e não exagerar no excesso, pois os visitantes podem se distrair e sair da página sem preencher o formulário.

5 – Imagens

As imagens e os conteúdos visuais são responsáveis por oferecer uma experiência melhor de leiturabilidade, além de chamar a atenção dos usuários.

Imagine que ao oferecer um cupom de desconto em uma valvula de retenção pneumatica, a landing page não só tenha o CTA, mas também uma foto ilustrativa do produto. É provável que o recurso visual desperte muito mais o interesse dos visitantes.

De acordo com um estudo feito pela Eyeview, as chances de conversão são 80% maiores em uma landing page com conteúdos visuais do que uma página comum.

Por isso, vale a pena investir na construção de elementos chamativos, lúdicos e atrativos aos olhos.

6 – Formulários

Os formulários são os grandes protagonistas das landing pages. Afinal de contas, eles serão os responsáveis pela conversão dos usuários, pois fornecem os dados pessoais e de contato dos visitantes.

Para melhorar a conversão, é importante que todos os campos de preenchimento sejam claros e objetivos. Além disso, para facilitar o processo, dê opções práticas e automáticas.

Os formulários devem ser breves e focados nas informações principais (nome e e-mail).

Ao incluir outros campos, não exagere, pois muitas pessoas podem desistir de preencher quando os dados são muito particulares.

Conclusão

O marketing digital abriu novas portas para os escritórios de advocacia e advogados que precisam investir na divulgação de seus serviços, mas cumprindo as recomendações da OAB e do Código de Ética.

Muito disso, deve-se ao marketing de conteúdo, uma estratégia focada na produção de materiais informativos para um público-alvo específico.

Dentro dela, é possível usufruir de ferramentas de compartilhamento e conversão, como as landing pages.

Contudo, a principal recomendação para os escritórios de advocacia que desejam sucesso no mercado é contratar uma agência de marketing digital especializada, para direcionar as melhores estratégias, conforme as singularidades do segmento.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *